Como litigar na FIFA

Atualizado 18/11/2019

Escrito por

Pablo Bruera

Advogado

Correo: derechosdelfutbol@gmail.com

Whatsapp: +54 9221 618-7294

Em geral, a câmera analisa como primeiro ponto se é competente, ou seja, se é um assunto que lhe interessa.

Em seguida, os regulamentos são analisados para inserir os fatos e a documentação apresentada. As decisões tomadas pela CRD podem ser apeladas ao TAS.

O CRD foi criado em 2001 e tem 24 membros.

Entre outras questões, resolve disputas trabalhistas no cenário internacional relacionadas a dívidas vencidas entre ambas as partes.

As reclamações devem ser apresentadas dentro de dois anos a partir do conflito originado.

Devemos lembrar que, além do que se fala de juízes e jurisprudência, existe um sistema de arbitragem cujas sentenças são chamadas decisões.

Regulamento da Comissão de Estatuto do Jogador e da Câmara de Resolução de Disputas da FIFA

Este regulamento decorre dos estatutos da FIFA.

Direito:

A lei aplicada por esses órgãos são os estatutos e regulamentos da FIFA, bem como leis, acordos coletivos nacionais e as características do esporte.

Competição:

A Comissão do Estatuto do Jogador e a Câmara de Resolução de Disputas julgam sua competência em virtude do disposto nos artigos 22 a 24 do regulamento sobre o status do jogador e a transferência de jogadores:

Art. 22) Competição FIFA

Sem prejuízo do direito de qualquer jogador ou clube de instaurar um processo perante um tribunal comum de disputas trabalhistas, a FIFA tem competência para lidar com:

 

a) Disputas entre clubes e jogadores em relação à manutenção da estabilidade contratual (art. 13-18) se um pedido do CTI tiver sido emitido e se houver uma demanda de uma parte interessada em relação ao referido CTI, em particular no que diz respeito que se refere à sua emissão, relativa a sanções esportivas ou compensação por quebra de contrato;

 

b) Disputas sobre a relação de emprego entre clube e jogador com dimensão internacional; no entanto, as partes acima mencionadas podem optar, explicitamente e por escrito, para que essas disputas sejam resolvidas por um tribunal de arbitragem independente, estabelecido em nível nacional e no âmbito da associação ou de um acordo coletivo, que garanta um processo justo e respeitar o princípio da representação igual de jogadores e clubes. Esta cláusula compromissória deve ser incluída diretamente no contrato ou no acordo coletivo que rege as partes. O tribunal nacional de arbitragem independente deve garantir a equidade do processo e deve respeitar o princípio da igualdade na representação de jogadores e clubes;

 

c) Disputas sobre a relação de emprego entre um clube ou associação e um treinador que têm dimensão internacional, a menos que exista um tribunal de arbitragem independente que garanta um processo justo em nível nacional;

 

d) disputas relacionadas à remuneração de treinamento (art. 20) e ao mecanismo de solidariedade (art. 21) entre clubes pertencentes a diferentes associações;

 

e) Disputas relacionadas ao mecanismo de solidariedade (art. 21) entre clubes pertencentes à mesma associação, desde que a transferência do jogador causador da disputa tenha ocorrido entre clubes pertencentes a diferentes associações;

 

f) Disputas entre clubes de diferentes associações que não correspondam aos casos previstos nas letras a), d) ee).

23) Comissão de Status do Jogador

1. A Comissão do Estatuto do Jogador decidirá sobre qualquer disputa nos termos do art. 22, letras c) ef), bem como qualquer outra disputa decorrente da aplicação deste regulamento, sujeito ao art. 24)

 

2. A Comissão do Estatuto do Jogador não tem competência para ouvir disputas contratuais envolvendo intermediários.

 

3. Em caso de incerteza quanto à jurisdição da Comissão do Estatuto do Jogador ou da Câmara de Resolução de Litígios, o presidente da Comissão do Estatuto do Jogador decidirá a que órgão a jurisdição corresponde.

 

4. A Comissão do Estatuto do Jogador decidirá na presença de pelo menos três membros, incluindo o presidente ou o vice-presidente, a menos que o caso seja de tal natureza que possa ser resolvido por um único juiz. Em casos urgentes ou onde questões difíceis de fato ou de direito não surjam e nas decisões relativas ao registro provisório de um jogador em relação a uma autorização internacional de registro, de acordo com o anexo 3, art. 8 e Anexo 3a, o presidente da comissão ou outra pessoa designada por ele e que deve ser membro da comissão pode decidir como juiz único. Durante o processo, cada parte tem o direito de ser ouvida. As decisões do juiz único ou da Comissão do Estatuto do Jogador podem ser apeladas perante o Tribunal de Arbitragem do Esporte (TAD).

24) Câmara de resolução de disputas

1. A Câmara de Resolução de Disputas (CRD) decidirá sobre qualquer controvérsia nos termos do art. 22 a), b), d) e e), exceto na emissão de um CTI.

 

2. O CRD decidirá na presença de pelo menos três membros, incluindo o presidente ou vice-presidente, a menos que o caso seja de tal natureza que possa ser resolvido por um único juiz do CRD. Os membros da CRD nomearão um juiz da CRD para os clubes e um para os jogadores dentre seus membros. O juiz da CRD decidirá nos seguintes casos:

 

i) todas as disputas em que o valor em questão não seja superior a 100.000 francos suíços;

 

ii) disputas sobre o cálculo da compensação de treinamento sem questões complexas de fato ou de direito ou quando houver jurisprudência clara e estabelecida da CRD;

Eu quero dizer

iii) disputas sobre a contribuição de solidariedade sem questões complexas de fato ou de direito ou nas quais exista jurisprudência clara e estabelecida da CRD.

 

Os litígios referidos nos pontos ii. e iii. Este parágrafo também pode ser resolvido pelo Presidente e pelo Vice-Presidente, atuando como juízes únicos.

 

O juiz da CRD, assim como o presidente ou vice-presidente da CRD (conforme o caso), têm a obrigação de submeter assuntos fundamentais à câmara. A composição da câmara será igual, com o mesmo número de representantes do clube e do jogador, exceto nos casos que um juiz da CRD possa decidir. Durante o processo, cada parte tem o direito de ser ouvida. As decisões do juiz da CRD podem ser apeladas ao TAD.

 

3. Todas as reivindicações relacionadas à compensação de treinamento e ao mecanismo de solidariedade processado através do TMS (ver Anexo 6) devem ser resolvidas pelo subcomitê da CRD.

Concorrência

Em caso de dúvida sobre qual órgão é competente, o presidente da comissão estatutária do jogador decide.

Os poderes do juiz único surgem do artigo 23, seção 4 e 24, seção 2 do RETJ.

Composição:

Tanto os membros da comissão de estatutos dos jogadores quanto os da Câmara de resolução de disputas são nomeados pelo Conselho da FIFA.

O CRD tem 26 membros, é composto em partes iguais por representantes de jogadores e representantes de clubes e é designado por proposta das associações de jogadores e dos clubes ou ligas.

Princípios Gerais
  1. Boa fé.

  2. Dizer a verdade

  3. Colabore para esclarecer os fatos

  4. Agir com o devido zelo

  5. Os membros das comissões devem abster-se de influenciar outros órgãos.

  6. Dever de manter segredo.

  7. As partes têm o direito de serem ouvidas

  8. Direito de apresentar evidências

  9. Direito de ter decisões fundamentadas.

Partes

Membros da FIFA, clubes, jogadores, treinadores, agentes, organizadores de partidas licenciadas são partes.

As partes podem ser representadas por advogados habilitados.

A parte que inicia o procedimento é notificada do recebimento por escrito. A outra parte afetada é notificada da abertura do procedimento.

Abstenção

 

O membro com interesse direto em um assunto deve se abster com base na decisão.

 

Desafio

 

Um membro pode ser desafiado se houver dúvidas sobre sua independência ou imparcialidade.

Tem 5 dias e deve ser apoiado, se possível, com meios probatórios. O membro pode rejeitar o desafio pela Comissão do Jogador ou pela Câmara de Resolução de Disputas.

 

PEDIDOS

 

Deve ser escrito em um dos quatro idiomas oficiais da FIFA, com as seguintes informações:

  1. Dados das partes e seus representantes.

  2. Petição

  3. Descrição dos eventos

  4. Evidência

  5. Documentos relevantes.

  6. Valor do litígio, se for patrimonial.

  7. Prova de adiantamento de custos processuais, se aplicável.

Se os requisitos não forem atendidos, ele será devolvido para alteração e, se não for atendido, o problema não será resolvido.

A petição é encaminhada para a outra parte, se dentro do prazo estabelecido não responder, é decidida com o que está no arquivo.

Documentos atrasados ​​não são levados em consideração. Somente em casos especiais, uma segunda notificação será feita.

Quando a investigação é encerrada, novas evidências não podem ser apresentadas ou a existente não pode ser modificada. No entanto, a FIFA pode solicitar documentos a qualquer momento.

Se não houver contato com um clube, sua Associação é notificada e é obrigada a notificar o conflito.

Uma vez comunicado à Associação de Seda por comunicação, o clube 4 dias após a comunicação.

A comunicação é feita por e-mail para psdfifa@fifa.org e em formato PDF com data e assinatura vinculativa.

O e-mail que os clubes e as associações colocaram no TMS é considerado válido e obrigatório.

As decisões são tomadas na sede da FIFA na Suíça, Zurique e, se necessário, as partes podem ser convocadas.

 

PROVA

 

Os meios de evidência são as declarações das partes, testemunhas, documentos, conhecimentos e tudo o que é relevante.

A existência de um fato deve ser comprovada agindo com a devida diligência.

A FIFA pode levar em consideração documentos não fornecidos pelas partes. Os custos do teste são suportados pela pessoa que o apresenta. O princípio da livre apreciação de evidências se aplica.

A não comparência de uma intimação, a recusa em responder a perguntas e a retenção das evidências solicitadas são consideradas.

Em disputas com compensação por treinamento ou mecanismo de solidariedade simples ou com clara jurisprudência da Câmara de Resolução de Disputas, a FIFA pode apresentar uma proposta por escrito sobre o valor e seu cálculo. As partes podem solicitar uma decisão formal à união competente dentro de 15 dias após a notificação. Caso contrário, a proposta é considerada aceita e vinculativa.

As decisões são tomadas por maioria simples e a portas fechadas. Todo mundo tem 1 voto, incluindo o presidente, exceto empate e abstenções não são permitidas.

A decisão é notificada por escrito. As bases completas são remetidas após 20 dias a partir da notificação da parte operacional e o prazo para recorrer começa a correr após a última notificação.

A decisão deve conter as informações das partes, a data, os nomes dos que votaram, os pedidos das partes, a apresentação dos fatos, a base da decisão, a apreciação das evidências e a decisão.

Somente a parte operacional pode ser notificada e as partes têm 10 dias para solicitar os motivos. Mas decisões que têm sanções devem ser baseadas

O termo é considerado concluído à meia-noite, horário local do endereço da parte ou de seu representante no último dia do termo.

Se um documento for enviado por engano para outro escritório da FIFA, ele será considerado dentro do prazo e o corpo o redirecionará automaticamente.

A prova do cumprimento do prazo deve ser fornecida pelo remetente.

Se o regulamento não estabelecer conseqüências pelo não cumprimento de prazos, em cada caso o órgão de atuação o avaliará.

A data de início de um termo NÃO será incluída no cálculo do termo.

Interrupção de prazos

 

1. Entre 20 de dezembro e 5 de janeiro, ambos incluídos,

2. 5 dias antes e 5 dias após um congresso regular da FIFA.

3. Durante a competição final da copa do mundo, a pedido de uma festa ou oficiosamente.

4. Se o último dia do período for um feriado ou dia não útil no país da parte que deve entregar um documento ou seu representante legal, ele será passado para o próximo dia útil.

Os prazos determinados pela regulamentação não têm prorrogação.

Os prazos para resposta e o segundo prazo são de 20 dias. Em caso de emergência, eles podem ser reduzidos.

Se uma solicitação fundamentada for enviada dentro do período, uma extensão única de 10 dias será concedida.

O prazo para interpor recurso será calculado a partir da data da notificação da decisão completa.

 

Custos processuais

 

Um adiantamento dos custos processuais será cobrado, com exceção do Mecanismo de Direito de Formação e Solidariedade, cuja reivindicação é inferior a 50.000 francos suíços.

O requerente ou o reclamante devem pagar o adiantamento dos custos.

O adiantamento é calculado de acordo com o valor do litígio.

Montante do litígio | Custos legais

Acima de CHF 50.000 | Acima de CHF 5000

Mais de CHF 100.000 | Até 10000 CHF

Acima de CHF 150.000 | Acima de CHF 15.000

Acima de CHF200.000 | Acima de CHF 20000

Desde CHF 200001 | Acima de CHF 25.000

Onde o depósito deve ser depositado?

Número da conta UBS ZURICH, Número 366.677.01u, Estatuto do Jogador.

Número de clering 230

IRAN, CH 270023023036667701U

SWIPT, UBSWCHZM80A

 

Se o pagamento antecipado não tiver sido efetuado na abertura da ação, serão concedidos 10 dias adicionais para o pagamento e, se não for efetuado, o caso não será considerado.

O adiantamento dos custos é reembolsado no Mecanismo de Solidariedade e nos Direitos de Treinamento se todas as partes aceitarem a proposta da FIFA (o valor máximo nesses dois institutos, se aplicável, será de CHF 25.000).

Não há custos em litígios entre clube e jogador devido à estabilidade contratual ou litígios trabalhistas internacionais entre clube e jogador.

Se uma parte renunciar ao mérito após a notificação da decisão da parte operativa, os custos serão dispensados.

 

Notificação

As partes são notificadas diretamente e uma cópia é dada às federações competentes.

A notificação é considerada como uma comunicação à parte interessada, pelo menos por e-mail.

Se não tivermos contato, ele será comunicado à Federação correspondente e será considerado comunicado ao clube quatro dias após a comunicação à Federação.

 

CIRCULAR 1628 DÁ MAIOR VELOCIDADE ÀS DECISÕES REALIZADAS POR ORGANISMOS DA FIFA

Em 9 de maio de 2018, a FIFA publica esta circular para respeitar e cumprir as resoluções tomadas pelos órgãos competentes, bem como as decisões do TAS.

Este regulamento decorre do fato de muitos grupos de interesse do futebol, especialmente clubes, ainda não respeitarem as decisões da Câmara de Resolução de Disputas e da Comissão do Estatuto do Jogador.

Para tornar as resoluções da Comissão Disciplinar mais rápidas, são autorizadas decisões individuais.

Por outro lado, o Conselho da FIFA aprovou um novo artigo do Regulamento do Estatuto e a transferência de jogadores, por meio da circular 1625.

O artigo 24 bis fornece aos órgãos de decisão a possibilidade de impor sanções a jogadores e clubes.

Quando a Comissão de Estatuto do Jogador, a câmara de Resolução de Disputas ou os Juízes Individuais ordenam que um clube ou jogador pague uma quantia em dinheiro, eles também devem dispor dos valores devidos, que aparecem na parte decisória da decisão. e eles serão os seguintes

  1. Para um clube, a proibição de registrar novos jogadores, nacional e internacionalmente, até que os valores devidos sejam pagos. A duração máxima da referida proibição, incluindo possíveis sanções esportivas, será de três períodos de registro completos e consecutivos.

  2. Para um jogador, a restrição de jogar qualquer partida oficial até que os valores devidos sejam pagos. A duração máxima da referida sanção, incluindo possíveis sanções esportivas, será de seis meses.

  3. A proibição ou restrição será aplicada quando os valores devidos não forem pagos dentro de 45 dias a partir da data em que o credor tiver comunicado ao devedor os dados bancários necessários para efetuar o pagamento, desde que a decisão relevante seja definitiva. e vinculativo.

 

O procedimento acima

 

Quando o artigo 64 do código disciplinar da FIFA foi violado, a Comissão Disciplinar sancionou o clube devedor, ordenou uma multa e um período de carência definitivo. Se ele ainda não pagou, foi informado de que, a pedido do clube credor, seria imposta dedução de pontos.

Se a decisão não foi respeitada, sempre a pedido do credor, a Comissão Disciplinar solicita à Federação do devedor que aplique a dedução de pontos.

 

Novo procedimento

 

Para melhorar o respeito pelas decisões, se uma parte violar o artigo 64 do Código Disciplinar, a Comissão Disciplinar sancionará o devedor com uma multa e um prazo definido será concedido para quitar a dívida. Da mesma forma, também imporá dedução de pontos e - ou uma proibição de inscrever jogadores quando o prazo final expirar.

Se a dívida persistir, a Federação do devedor é informada de que a dedução de pontos e / ou a proibição de registrar jogadores por um ou mais períodos são aplicadas automaticamente.

Se a dívida ainda não tiver sido cancelada, o credor poderá solicitar que o processo seja devolvido à Comissão Disciplinar para ordenar uma possível descida para uma categoria inferior.

 

Aplicação de sanções esportivas de acordo com o novo procedimento

 

  1. DEDUÇÃO DE PONTOS. A partir do dia seguinte ao término do prazo, solicita-se à Federação do devedor que implemente automaticamente a dedução de pontos. Após o prazo, mesmo com pagamento, a sanção não pode ser evitada. Se a Federação não cumprir com a sanção, um procedimento disciplinar é aberto perante a Comissão Disciplinar da FIFA.

  2. PROIBIÇÃO DE INSCREVER OS JOGADORES. Se o pagamento não for demonstrado, a proibição de registrar jogadores será implementada automaticamente, solicitando-o à Federação do devedor. No caso de pagamento, somente a Comissão Disciplinar pode suspender a sanção, nacional e internacionalmente.

 

Efeito da assinatura de um contrato extrajudicial e / ou plano de pagamento durante o procedimento disciplinar

Em qualquer um desses dois casos, a decisão tomada pelo órgão da FIFA não será executada.

A assinatura do contrato levará automaticamente ao encerramento do procedimento disciplinar e a reclamação por violação do contrato deverá ser apresentada aos órgãos da FIFA.

 

Circular 1583

 

Na circular de maio de 2017, o Conselho da FIFA aprovou uma emenda ao artigo 78 do Código Disciplinar, permitindo que os membros da Comissão Disciplinar se pronunciassem individualmente sobre decisões sobre os casos regulados pelo artigo 64b do referido código. . Dessa maneira, as decisões são simplificadas, pois até agora elas só podiam ser tomadas juntas.

A circular sustenta que, nos casos mais complexos, eles seguirão o método usual do painel de três membros.

O presidente da Comissão Disciplinar será responsável pela designação de casos aos membros da Comissão.

A modificação, então, visa aumentar a eficiência na tomada de decisões, uma vez que o número de casos tratados aumentou consideravelmente.

CIRCULAR NÚMERO 1694 FIFA

Solo disponibles en PDF

1. Introdução

Neste trabalho, analisamos as funções da Câmara de Resolução de Disputas (CRD):

Competências, quem são as partes, como são feitas as solicitações, os meios de prova, os prazos, o montante do litígio, as notificações, etc.

Fazemos referência às circulares 1628 e 1583 da FIFA.

O primeiro agiliza as decisões tomadas pelos organismos, diferenciando o antigo do novo procedimento.

O segundo modifica o artigo 78 do Código Disciplinar, permitindo que decisões sejam tomadas por um único juiz.

Encerramos este material com um anexo que contém o Regulamento da Comissão do Estatuto do Jogador e da Câmara de Resolução de Disputas, bem como as circulares FIFA 1583 e 1628.

O QUE É A CÂMARA DE RESOLUÇÃO DE LITÍGIOS DA FIFA

Esse órgão é responsável pelas tarefas de arbitragem e disputa na FIFA, é composto igualmente entre jogadores e clubes com um presidente independente e a composição atual é a seguinte:

© 2020 Associação de Peritos em direitos do futebol

  • Facebook Derechos Del Fútbol
  • YouTube Derechos Del Fútbol

Correio: derechosdelfutbol@gmail.com

WhatsApp: +54 9221 618-7294